Teatro Trindade, As artes cénicas têm nova luz com a Aura Light

 

A marca Daisalux, que é já reconhecida em Portugal como sendo a marca de iluminação de emergência por excelência, foi naturalmente a solução apresentada pela Aura Light e a escolhida para o projecto de requalificação do Teatro da Trindade.

 

 

No seguimento dos esforços que o INATEL tem feito ao longo das últimas décadas (desde 1975) para preservar, dinamizar e revitalizar o Teatro da Trindade, um dos mais ativos teatros da capital, foi realizada uma nova intervenção na Sala Principal e na Sala Estúdio que visou restaurar a plateia e o 1.º balcão, abrir novos acessos para pessoas com mobilidade reduzida, introduzir um novo sistema de climatização e implementar medidas de segurança em casos de emergência. Neste sentido, a marca Daisalux, que é já reconhecida em Portugal como sendo a marca de iluminação de emergência por excelência, foi naturalmente a solução apresentada pela Aura Light e a escolhida para este projecto.

Neste projecto, que resultou de uma parceria entre a arquitecta Cidália Worm do gabinete projectista ETU e o arquitecto Francisco Amaral Pólvora do gabinete projectista BFJ, os balizadores Alzir, desenhados para a projeção da luz sobre o solo, ficaram responsáveis pela orientação das pessoas no espaço, sendo dotados de uma elevada resistência a impactos e à entrada de objetos sólidos e líquidos (IK07, IP66). Estes banhadores de pavimento têm também um carácter decorativo graças ao embelezador com acabamento dourado escolhido para se enquadrar com o ambiente clássico e luxuoso do teatro.

A iluminação de emergência ficou a cargo da luminária Vir, com montagem de parede e teto, uma luminária simples, compacta, com acabamento dourado e difusor em acrílico, que proporciona uma iluminação uniforme e de larga duração, assim como uma solução definitiva para sinalização permanente graças à central de alimentação permanente com baterias que proporcionam 1 hora de autonomia. Também o Bloco autónomo Hydra, utilizado neste projecto, garante esta autonomia graças a uma lâmpada em presença de rede e outra de emergência com autonomia de 1h e fluxo de 200lm Já a luminária saliente Zenit dotada de uma bateria protegida contra sobreintensidades, descargas excessivas e inversão de polaridade, fica a cargo da iluminação de emergência não permanente de espaços com grandes áreas.

Todos estes aparelhos com a última tecnologia led, desenhados e fabricados conforme normativas UNE-EN 60598-1, UNE-EN 598-2-22, e as Diretivas 2004/108/CE, são alimentados e controlados por centrais PBL-80 (Ni-Mh), com possibilidade de selecionar dois níveis de intensidade, máxima ou reduzida, para funcionamento durante o decorrer de um espetáculo.